Recebi o Diagnóstico de Catarata e agora?

Recebi o Diagnóstico de Catarata e agora?

Quais cuidados tomar após o Diagnóstico de Catarata?

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, a catarata é a principal causa de cegueira no mundo. Felizmente esta é uma doença curável e que pode ser resolvida em definitivo com a cirurgia para substituição do cristalino.

A catarata é uma doença que afeta o cristalino, uma lente presente em nossos olhos. Por motivos que variam de paciente para paciente, o cristalino torna-se gradualmente opaco, dificultando a passagem da luz, causando inicialmente visão embaçada, mas se não tratada pode progredir para cegueira.

Por se tratar de uma condição progressiva, não há atualmente um tratamento eficaz que reverta o quadro ou impeça sua evolução. O tratamento curativo depende, invariavelmente, da realização da cirurgia, mas são conhecidos alguns fatores de risco que podem ser evitados para desacelerar sua progressão:

  • Radiação ultravioleta: a exposição direta aos raios solares aumenta o risco de desenvolvimento de catarata, por isso o uso de óculos escuros com proteção UV-A e UV-B é fundamental para todos, especialmente quem já tem o diagnóstico;
  • Diabetes: se você recebeu o diagnóstico de catarata e tem diabetes, o controle da glicemia deve ser rigoroso, uma vez que níveis elevados de açúcar no sangue podem contribuir para a progressão da doença;
  • Hipertensão: um estudo publicado no ano de 2014 demonstrou que há forte correlação entre pressão alta não controlada e o desenvolvimento de catarata, por isso é importante tratar a hipertensão para não acelerar a progressão da doença;
  • Glaucoma: glaucoma e catarata são duas doenças que podem coexistir, no entanto, o tratamento de uma contribui para o tratamento da outra. É possível, por exemplo, em um único procedimento cirúrgico realizar o procedimento para controle da pressão intraocular e a substituição do cristalino doente por uma lente sintética.
  • Tabagismo e consumo de álcool: a exposição à fumaça do cigarro é perigosa em muitos sentidos, mas quando nos referimos à catarata o tabagismo é fator de risco por causa da geração de espécies reativas do Oxigênio, os famosos radicais livres. Já no caso do consumo de álcool, há relação entre o consumo excessivo de álcool e desenvolvimento de catarata, mas o mecanismo associado ainda não foi esclarecido.
  • Uso de corticoides: o link entre o uso de anti-inflamatórios do tipo corticosteroides é conhecido a bastante tempo pela medicina, por isso, se você foi diagnosticado com catarata, seus médicos devem ser alertados sobre sua condição para a avaliação rigorosa da prescrição deste tipo de medicamento.

Finalmente, o tratamento definitivo para a catarata é cirúrgico e o melhor momento para sua realização é aquele em que o paciente declara que está tendo prejuízos na qualidade de vida. Quando não há impedimentos, a cirurgia pode ser feita a qualquer momento.

Você tem o diagnóstico de catarata e está buscando tratamento?

Precisa saber mais? Clique aqui e agende sua consulta.

Fale conosco