Exames pré-operatórios para cirurgia de miopia

Exames pré-operatórios para cirurgia de miopia

Das doenças mais comuns nos olhos, as Ametropias (miopia, hipermetropia, astigmatismo) são as mais conhecidas por todos.

Muitas pessoas procuram o médico oftalmologista em busca de procedimentos que possam solucionar de maneira definitiva esses problemas e se livrarem da necessidade de uso de óculos ou lentes de contato.

Hoje temos opções cirúrgicas muito bem estabelecidas, com resultados bastante satisfatórios, mas o sucesso da cirurgia depende de fatores que precisam ser analisados por meio de consultas clínicas e alguns exames complementares.

Por exemplo, antes de se submeter à cirurgia, precisamos saber se você é maior de 18 anos, qual a espessura de sua córnea e qual a curvatura que ela apresenta. Além disso, se você faz uso de lentes de contato, prepare-se para deixar de usá las no mínimo 3 dias antes dos exames pré operatórios.

Refratometria

Este é aquele exame clássico que todos já fizemos pelo menos uma vez na vida. É quando o oftalmologista dilata as pupilas e, entre outras coisas, lemos aquelas letrinhas pequenas enquanto o médico troca as lentes no equipamento colocado em frente ao nosso rosto.

Como a miopia é, na verdade, uma deformação na geometria dos olhos, e o “grau” da miopia tem a ver com quanto essa geometria está alterada, é necessário saber como está sua miopia antes da cirurgia corretiva.

 Tonometria

Nossos olhos são preenchidos por um líquido transparente chamado de humor aquoso, que é constantemente produzido e drenado do interior do globo ocular. Existem alguns casos em que a pessoa apresenta dificuldade em drenar o líquido novo produzido, o que causa aumento da pressão intraocular (glaucoma).

Para medir a pressão, o oftalmologista usa um exame chamado tonometria, que é aquele teste muito comum em que o médico posiciona o paciente em um equipamento que sopra um pequeno jato de ar nos olhos.

Como a cirurgia para correção da miopia vai alterar a espessura da córnea por meio de correção da curvatura da córnea, haverá diminuição da espessura corneal, o que pode ser problemático. Em casos de pacientes com aumento da pressão intraocular, a cirurgia para miopia pode não ser recomendada, mas cada caso deve ser analisado individualmente.

Topografia da Córnea

O conceito de topografia é o mesmo que se utiliza na geografia (onde estamos mais acostumados a ver o uso deste termo) e se refere ao relevo das superfícies externa ( curvatura da córnea).
Há algumas opções de exames para este tipo de avaliação, como por exemplo a Ceratoscopia Computadorizada da Córnea e o Pentacam.

A partir deste tipo de exame é possível a criação de um mapa tridimensional da córnea com a determinação de irregularidades presentes, o que é fundamental como exame pré-cirúgico, já que a córnea do paciente independente do grau que apresenta pode ter alguma deformação em sua superfície que contraindique a cirurgia.

Algumas vezes se faz necessário a complentação com o Pentacam que é um exame tomográfico da córnea. Ou seja, além da curvatura ele também nos fornece dados de elevação da córnea tanto na parte anterior como posterior.

Ambos os exames são exame rápidos (não costuma demorar mais do que alguns minutos), indolor e que não requer nenhum tipo de preparação prévia, como o uso de colírios ou dilatação das pupilas, entretanto, pacientes que fazer uso de lentes de contato devem deixar de usá-las por alguns dias antes do exame.

Paquimetria ultrassônica da córnea

O nome paquimetria vem do nome de um instrumento da engenharia de precisão (o paquímetro) que tem o papel de auxiliar na determinação de medidas de espessuras. No caso do exame ocular, obviamente não utilizamos este instrumento, mas um equipamento parecido com uma caneta acoplada a um computador.

Por se tratar de um exame que depende do contato do sensor com a córnea do paciente, há a necessidade de aplicação de um colírio anestésico e por isso não há qualquer dor ou desconforto.
A partir de alguns toques do sensor com a superfície corneana, o equipamento faz a medida da espessura dos diferentes pontos, central, superior, inferior, lateral e nasal.

É um exame rápido e que, apesar de utilizar um colírio, não necessita de um período de recuperação como quando há a dilatação das pupilas. O paciente não sente nada e sai do consultório pronto para continuar sua rotina.

Aberrometria

A aberrometria é um exame computadorizado que tem por finalidade detectar possíveis aberrações refrativas (formas inadequadas de passagem da luz) corneanas.

Se lembrarmos das aulas de física da época da escola, toda vez que um raio de luz passa através de uma lente, há o desvio em sua trajetória. Pensando que a córnea é um tipo de lente convergente na qual os raios luminosos passam e são direcionados para um ponto muito específico de nossas retinas, alterações na forma, espessura ou composição da córnea irão gerar aberrações ópticas e o conhecimento do que se passa em cada paciente é essencial para um bom prognóstico pós-cirúrgico.

Em alguns casos específicos solicitamos esse exame.

Microscopia especular da córnea

Este é um exame que permite ao médico oftalmologista avaliar detalhadamente a estrutura microscópica da córnea.

É um exame indolor, uma vez que não há contato do equipamento com os olhos e fornece ao médico, informações precisas sobre as células que formam a estrutura corneana, podendo determinar a existência de tipos celulares normais ou alterados e suas quantidades nas subcamadas da córnea.

A partir da avaliação clínica, do histórico do paciente, de suas expectativas com relação à cirurgia e os resultados dos exames complementares, se toma a decisão sobre a indicação ou não de uma cirurgia para cada caso específico.

Ficou interessado em saber se para seu caso há indicação cirúrgica? Clique aqui e agende sua consulta.

Fale conosco